Informação necessária.
 

CADASTRE-SE

Faça seu cadastro para receber nosso informativo eletrônico:
Nome: Informação necessária.
E-mail: Informação necessária.E-mail inválido.
 
Youtube Twitter Facebook
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

ARTIGOS

  26/05/2017 

Retrocesso do futebol cearense - Rossana Brasil Köpf

Na Assembleia Legislativa (audiência pública do dia 24 de maio de 2017) alguns deputados querendo a liberação do álcool nos estádios de futebol. Bebida não combina com a passionalidade das torcidas. É estopim de brigas e violência. Mas eles afirmam (tais deputados estaduais) que isso seria uma solução. Me poupe! Solução para que mesmo? Para as grandes empresas de bebidas venderem mais violência e mortes? Para mais jovens destruírem os estádios? Me poupem deputados.

Mas até entendo o interesse econômico da questão, mas não tentem enganar a população com esses discursos toscos. Liberar a bebida alcoólica nos estádios brasileiros é como permitir porte de arma, é como permitir a liberação das drogas, mas para muitos o álcool não é uma droga. ÁLCOOL é uma droga lícita, aberta para nossas crianças e jovens. Andar armado não significa que alguém vá sair por aí dando tiros a esmo, embora isso volta e meia aconteça em vários locais da nossa cidade que já é extremamente violenta. Mas o fato é que, de arma ao alcance da mão, existe a chance da bala perdida. E a bala perdida, não raro, pune inocentes.

Minha experiência e estudos sobre o álcool e outras drogas, me fez observar sobre violência no futebol sugere que, onde há briga e confusão, tem álcool e droga no meio. O álcool distorce sentidos. Manda os filtros dos instintos às favas. É um coquetel molotov, combinado a um ambiente que, não raro, se alimenta da histeria. Pedaços desta fórmula podem atingir um inocente.

Na Alemanha, onde vivi por 20 anos não se pode jamais comparar ao Brasil, principalmente para a liberação no Estado do Ceara, onde a violência, a bebida é assustadora. Lá existe repressão e punição. As pessoas têm essa lógica presente no dia a dia desde que nascem. Os limites são culturais e estão na cabeça até do bêbado valentão que vai ao estádio.

Aqui no Ceará o bêbado valente quebra as cadeiras e sai batendo nos outros. Estamos no Brasil, com um longo caminho a percorrer. Um longo caminho a percorrer que se chama EDUCAÇÃO! Mas o lobby do mercado econômico para a liberação do álcool quer destruir com clareza as famílias e os jovens. Prevenção essa deveria ser a proposta desses tais deputados estaduais que querem a todo custo mais uma desgraça para as famílias do Estado do Ceará , alguns acham hipocrisia esse discurso, mas hipocrisia  é fomentar à violência e o ódio dentro dos estádios.

Rossana Brasil Köpf é psicanalista e advogada.
 

Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

PÁGINA INICIAL

 
 

Copyright © 2009-2017 Agência da Boa Notícia  •  Todos os direitos reservados.
Av. Des. Moreira, 2120, sala 1307 - Aldeota  •  CEP: 60170-002  •  Fortaleza - CE
Fone/Fax: (85) 3224.5509  •  E-mail: boanoticia@boanoticia.org.br

    www.igenio.com.br